sábado, 5 de fevereiro de 2011

E se


E se não fossem aquelas as horas de quando tudo, de quando todas as palavras envoltas em coisas que nem deviam e nas que faltaram para que tudo, para que nada além, para que muito mais fossem os sentimentos e outros os caminhos que não os que depois, os que nunca, jamais o entorpecer das horas seguintes embriagadas e sustentadas apenas por um fio, um fio, um fio tão frágil que, se o vento respirar mais forte, nada mais, nada mais, apenas o fio sem o elo mesmo que qualquer o elo a sustentar a fragilidade, quase imperceptível de tão nada.
E se
E se fossem apenas uma utopia, a de que, até em segundos, as horas transitam entre o tempo real e o imaginário, e o tempo mais real que o imaginário, o que é, e no relógio os ponteiros se encontrando e pouco a pouco, distante, outra vez muito mais que apenas as palavras, mas a pausa embrutecida enquanto as interrogações se enfileiram e no rosto e nos olhos e nas pálpebras e onde mais a certeza de quando, a incerteza de quando, e se, e se, outra pausa, outra pausa, e se.
E se dentro das palavras caladas e nas outras palavras o contemplar do que não era, e do que era, e do que seria e do que não seria, e se dentro das horas a inexistência, apenas imagens opacas e todas outonais se confundindo nas estações não apenas do tempo, não apenas, se.

3 comentários:

  1. Como sempre: um texto lindo!!!
    Cláudia.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo,

    Vc sempre me fazendo reviver vários sentimentos ao mesmo tempo...Vc realmente me faz sonhar!
    Lindas palavras!
    Saudades...
    Lua.

    ResponderExcluir
  3. Coloquei no meu Blog Ismar :-)
    Saudades !!!

    ResponderExcluir