sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Quase Jardins - Romance

Quase Jardins é um romance que narra a história de uma família envolvida em silêncios, marcando assim a densidade e as inquietações de uma relação familiar. Um silêncio introspectivo: onde é apatia é também amor, o que é loucura é também lucidez, e o que é esquecimento é também lembrança.
O ato de rememorar delineia os dias de José, o pai, que vê no silêncio do filho o seu próprio silêncio, presente desde a sua infância e vivenciada na mesma casa que ele permanece com a família. Consequentemente, o mesmo quintal - ou o mesmo jardim -, lugar de sonhos e fantasias, tantos deles desfeitos. As lembranças da mãe, melancólica e dependente de medicamentos, e de uma avó que o rejeitava, marcando um sentimento de loucura e pavor. Relações e vivências impregnadas na memória de José, José do Lago, e que, no presente, comprometem a sua relação com a esposa, apesar do desejo de se desprender do passado.
Mariza, a esposa de José, sempre conheceu parte da sua história, e é uma esposa que se preocupa em romper o silêncio. Entretanto, se vê cada vez mais envolvida em um imenso rio metafórico que atravessa a sua cama e que separa ainda mais o casal. Fragilizada, é também tomada pelo silêncio, até que um dia descobre um Centro Psiquiátrico, onde passa a trabalhar como voluntariada e a sua vida começa a mudar. Lá, conhece um possível louco que a conduz a novas reflexões e atitudes, diálogos que têm como cenário um imenso jardim, lugar onde a loucura e a lucidez se confundem.
Júlio é o filho mais novo, retrato psicológico do pai; Helena é a filha mais velha, em torno de oito anos, e emocionalmente é a mais independente da família. Ela cria histórias a depender da necessidade do instante, principalmente com o propósito de romper com os silêncios e a melancolia do irmão.
Quase Jardins é marcada por uma sensação de harmonia, se nela não há intrigas familiares. Há sim, outras intrigas e desarmonias, envoltas em silêncios. É uma narrativa marcada por um desejo de felicidade, sonhada entre ruas, medicamentos, fantasias, os espaços da casa, porta-retratos e rios metafóricos. São fragmentos da memória, desenhos que registram fugas de uma infância, reflexões sobre a existência e sobre os limites entre o real, o imaginário e a fantasia.

Editora: Apenas Livros, Portugal
Vendas: Amazon
http://www.amazon.com/Quase-Jardins-Portuguese-Ismah%C3%AAlson-Andrade/dp/9896185247/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1454077053&sr=8-1&keywords=quase+jardins

Nenhum comentário:

Postar um comentário