quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O cheiro espalhando as palavras


Na pele
O cheiro espalhando as palavras ficaram como veludo,
embalando emoções
elas ficaram.

Não apenas no ontem
as palavras
mergulhadas
no corpo,
completas.

Não foram surdas
Não foram mudas
Não foram passagens, apenas
Foram também,
e ainda depois.

Um comentário:

  1. Adorei o poema!
    As palavras no corpo!
    Bjs,
    Cláudia.

    ResponderExcluir