quinta-feira, 11 de março de 2010

"Antes que os morangos apodreçam" II

Acabei de escrever o terceiro capítulo do romance de título provisório “Antes que os morangos apodreçam”. Pouco antes das 9 horas da manhã, depois de muita inquietação sobre o destino da narrativa, consegui colocar um ponto final, depois de 20 páginas que, juntas com as demais, somam agora 63 páginas já escritas. Digo “já” pois, pelo menos para mim, trata-se de um processo árduo, embora misturado com o grande prazer de sentir a construção de cenários, diálogos, personagens e tensões. Repito. O texto avança, e descobertas vão acontecendo: o planejado e o imprevisível, quando a própria escrita pode surpreender o autor por caminhos inesperados.
Escrever 20 páginas é antes ter escrito mais 20, num retocar de palavras, frases e substituição do que parece ou realmente é o mais adequado, o mais lógico, o que mais se envolve com a clareza e intenção do que se pretende. Ontem, já no final da tarde, uma página pareceu pronta em poucos minutos, depois de uma luta durante a manhã quase inteira para que a mesma sensação se desse na construção de um único parágrafo que não conseguia se dar por satisfeito, por completo, numa batalha entre as palavras. As palavras são assim. As palavras e as frases. Brigam entre elas até que se afinam e se satisfazem com uma harmonia pretendida. E depois, em outro momento, após um estado do repensar, podem ainda decidir que não, e que falta algo, ou algo existe em excesso. A falta e o excesso podem ser um perigo para o texto.
Neste momento de prazo para ser comprido, relatório da minha pesquisa sobre L. Antunes e A. Torres, coincidentemente 20 páginas exigidas pela Universidade, preciso de um breve tempo para começar a percorrer as páginas ainda vazias do quarto capítulo. Nem é exatamente o vazio, afinal, o caminho está aberto e os passos foram iniciados a partir do primeiro capítulo, melhor, do primeiro parágrafo, primeira cena. É dar seguimento às ações, interlocuções, o poder das palavras.

4 comentários:

  1. Imagino o escitamento da criacao de um romance...e a simpatia e antipatia pelos proprios personagens criados, que lou-cu-ra! maos a obra estamos aqui esperando.
    Vaninha.

    ResponderExcluir
  2. Você é realmete surpreendente, fico impressionado com a facilidade que vc tem de expresar o que pensa através das palavras, tenho certeza que seu romance já é um sucesso, estou hiper curioso para ler o que já escreveu e acabei viajando me imaginando sendo um leitor de um livro inacabado, como seria a sensação de ler capítulos escritos e esperar os ainda nao materializados, deve ser uma loucura! Boa Sorte! Jacson Costa Veiga

    ResponderExcluir
  3. Realmente ele sabe manejar bem a ferramanta com que trabalha.Já estou aguardando o lançamento do próximo livro. Boa Sorte! Susana

    ResponderExcluir
  4. Imagino a labuta que foi, conhecendo vc como eu te conheço ficou persistente e empolgado a cada isntante. Sucesso!
    zulenita

    ResponderExcluir